segunda-feira, 3 de novembro de 2014

380 - Um livro de páginas rasgadas (Jornal em dia)

Pessoas que terminam muitos relacionamentos, abandonam empregos, desistem dos estudos. Pessoas que nunca vão a fundo, sempre param no caminho, voltam para trás, caminham novamente, se cansam e param, e voltam mais uma vez. Uma vida onde nada é completo, nada é intenso, nada é sólido. Um rascunho de existência de uma alma desnorteada que nunca chegará a lugar algum, pois nada para ela é o suficiente. Parece almejar o perfeito, mas o perfeito é uma óbvia ilusão. Segue um norte inalcançável. Conquista tesouros, mas os abandonam pelo caminho; são muito pesados, ela julga.

Tudo tem o seu lado negativo; a vida não é um conto de fadas. Um relacionamento, por mais belo que seja, terá seus momentos ruins. Haverá brigas, muitas vezes até tolas. Haverá ciúmes, discussões, birras, discordância, desconfiança, estresse, entre outros. Porém, se existir amor ele prevalecerá. Neste caso o amor é o foco. Existe nisso tudo algo que sustenta, algo invisível, porém, poderoso; uma das leis da vida... Compromisso.

Nenhum estudante desiste de sua faculdade se ele estiver baseado no compromisso da conclusão. Ele não vai olhar para trás ou para os lados e relevar os revezes: incessantes estudos, muito dinheiro sendo gasto, falta de tempo, e as dúvidas: Outro curso seria melhor? Será que trabalhar agora não seria uma boa ao invés disso? Será que aguentarei tantos anos de estudo? Será? Será? – E assim ficará corrompido por suas próprias dúvidas até o momento em que elas mesmas sufocarem seus ânimos, obrigando-o a desistir.

Da mesma maneira é com uma profissão. O foco deve ser o crescimento, a conquista, a experiência. Caso não isso não exista, as dúvidas, mais uma vez, corroerão a tudo. Diz o homem: - Meu patrão é uma víbora. Não mereço estar aqui. – Acho que meu salário não está bom. Estou sendo injustiçado. – Ninguém da importância ao que eu faço. Vou atrás de quem me dá ao valor.

Se houvesse foco as dúvidas não teriam tanto poder.

Devemos seguir em frente sem olhar para a direita e nem para esquerda. É preciso fixar um ponto e seguir até o mesmo sem nunca curvar o caminho. Não importa pelo o que passemos, temos que chegar lá. Isso é ter foco, e para o foco é preciso força, e para a força é preciso fé. Foco, força e fé, juntos resultam no mais digno ato do homem... Compromisso.

Precisamos ter compromisso com a vida, estabelecer metas e ir à luta. Nossa existência precisa estar em movimento, mas não em segmento desnorteado, mas firmemente estabelecido. Do contrário viveremos pela metade. Teremos uma vida de histórias incompletas, como um livro de páginas rasgadas.

Só extrairemos o máximo da vida se formos a fundo naquilo que fazemos. Esqueçamos da maligna prudência, onde se coloca um pé e o outro fica de fora. Afinal, e se tudo der errado? Chega de “afinal, “e se”, “será”, ou “talvez”. Foco! Sigamos e ponto final.

Se tivermos fé em alguma coisa que tenhamos força para lutar por ela e para esta luta que tenhamos foco. Isso se tornará um compromisso e compromisso não se desiste, simplesmente cumprimos. Que assim seja a vida; que não apenas vivamos, mas que façamos acontecer.

Vivamos intensamente, exploremos até o fim. A vida já é muito curta para ser vivida pela metade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique aqui e comente!

Pesquisar neste blog