segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

270 - Vegetarianismo: O engano!

Você acha que as verduras não sentem nada apenas pelo fato destas não terem boca ou um meio expressivo compreensível a racionalidade humana. Elas podem sofrer horrores, mas em silêncio já que não tem a habilidade de produzirem som. Homens se diferem de animais, pois animais são conduzidos pelo instinto e o homem pelo racional; logo, as verduras também se conduzem pelo instinto a exercerem suas funções na natureza, o que os deixa em como que em paralelo na esfera existencial; desta maneira verificamos que animais são como vegetais, duas formas de vidas. Finalmente, já que se alimentar de uma vida é errado, aconselha-se o consumo de pedras, e assim veremos o que acontecerá.

Se a questão é o ser senciente, ou seja, não devemos comer pq estes "sentem", encontramos, pois, uma saída. Pegaremos um animal, ou até mesmo um ser humano (já q existem canibais), e aplicaremos neste uma anestesia geral, abolindo assim toda a dor do ser; assim não haverá problemas para nosso consumo! Estou eu contente? De maneira alguma! Está é uma ideia totalmente dissimulada, mas q usei apenas para seguir a linha de pensamento dos abstinentes. A grande questão neste caso não é a senciência, mas sim o emocional. Você sofre ao "ver" o sofrimento; se não o "ver" vc desconsidera. Logo, o sofrimento nunca será visto em vegetais, pois suas características são diferenciadas.

Concluindo, senciência torna-se como irrelevante, pois a dor aflige a todos os seres vivos! Nossa escala "humana" é dominante! Nossa inteligência é superior, somos mais fortes; caso o contrario os "consumidos" seriamos nós. Discorda? Mergulhe então no meio do oceano em área de tubarões e veja se este pouparão vc para irem comer as algas nas profundezas! Certamente q não.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique aqui e comente!

Pesquisar neste blog