sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

262 - Um manto escuro

Uma estrada de trevas cruzei sem pensar onde ia
Em abismos de dor, de terror, de ilusão eu cai
Eu corri a chorar num lacrimejar da magia
Mas mesmo sofrendo e morrendo eu assim persisti

Eu sorri, mas menti! Não estava mais me aguentando
Eu cantei, mas errei! Minha voz vem desafinando

Minha vida começa agora; eu prometo, alias
Vou seguir em frente e crente no meu Deus de Paz
Se talvez um manto escuro encobrir o meu céu
As promessas de Deus me serão como um mel

Eu vejo um caminho de luz se abrindo a frente
Ouço a morte gritando, berrando um adeus
Sinto uma luz de um brilhar, de um sonhar envolvente
Sinto o braço, o abraço do meu Grande Deus

Vou seguir, persistir, em buscar por algo maior
Vou cantar, vou falar que a vida na luz é melhor

Minha vida começa agora; eu prometo, alias
Vou seguir em frente e crente no meu Deus de Paz
Se talvez um manto escuro encobrir o meu céu
As promessas de Deus me serão como um mel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique aqui e comente!

Pesquisar neste blog