sexta-feira, 6 de maio de 2011

141 - Palavras de Ricardo Bredariol (O Brilho de Rebecca)


“Vocês devem saber! O que falei agora é um versículo da bíblia! - Todas as coisas me são lícitas! Mas nem todas as coisas me convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas. - Este versículo expressa aquilo que ele realmente parece expressar... Nós podemos fazer tudo! Tudo é lícito! Porém, a maioria dos religiosos adora torcer esta palavra, tornando-a apenas uma passagem sem sentido. Como diria o mestre que me ensinou: Da onde, pois, sobreveio-nos tudo isso? Eu lhes pergunto: Quem foi aquele que morreu na cruz para salvar a humanidade? Um vagabundo? Um ladrão? Um homem trabalhador, porém, injusto? Algum destes? É claro que nenhum destes! Quem morreu foi Cristo Jesus, nosso Senhor! E esta morte nos proporcionou o que? Lágrimas e tristezas? Talvez choraram aqueles que o conheceram, mas hoje em dia não há porque chorar! Por quê? Porque a morte dele nos trouxe a salvação! Sei que isso parece papo de Tiéte, mas deixe-me explicar:

Cremos que Jesus é o Filho de Deus! Logo, imaginem o “Poder” manifesto pela sua morte? Imaginem o quão absurdo pode ser a morte do filho de um Deus devido simplesmente às atitudes erradas dos simples e grotescos seres humanos? Vejam que absurdo! Seria Deus um louco a permitir tal extravagância? Permitir o sacrifício de seu próprio filho? Como? Olhem para as coisas do universo, a complexidade da natureza, do corpo humano; olhem para tudo... Por acaso foi louco aquele que a tudo isso formou? Estou absolutamente certo de que não! Loucos somos nós! Deus é perfeição! O único Portador da sanidade. Então, pensem no exemplo:

João nasceu num sítio, afastado de tudo e de todos. João cresceu sendo espancado, chingado, e tudo o que é Ado! Ao completar a idade adulta, sai de casa! Se muda para longe e lá longe conhece uma mulher a qual se casa e tem filhos. Ele passa a vida então a maltratar essa mulher e os próprios filhos, os quais um deles, o Bernardo, de tanta revolta, quando jovem, cai nas drogas, se tornando um impiedoso criminoso. E assim suas miseráveis vidas se seguem. A partir disso, eu lhes pergunto: João e Bernardo irão para o inferno? Sei que sua resposta pode estar na ponta de sua língua! Mas estou certo de que você não relevou todos os fatos. Vejamos...

Acaso você conheceu João? Sabe como foram as coisas pelas quais ele passou? Sabe qual foi o tamanho de suas frustrações e decepções? Você sabe quais foram seus medos? Sabe como ele pensava, e o porquê ele pensar daquela maneira? Sabe como foi sua criação, a qual fez com que ele vesse o mundo da forma cruel a qual ele via? Sabe? Certamente que não! Muito menos quanto a Bernardo. - Quem és tu que julgas sem entendimento? Diriam os sábios...

Deixe uma peça de dominó em pé! Faça isso com mais mil delas, uma exatamente atrás da outra. Então derrube a primeira na direção da segunda. O que vai acontecer? Claro! Todas as peças cairão! Todas as mil sem exceção! Desta mesma maneira acontece com o mal. O mal gera o mal! Um abismo chama o outro abismo, como diz a Bíblia. Não é mesmo a toa que este mundo está inundado em trevas. Pobre João! Ao contrário de vocês ele viveu sem alegrias! Só viveu tristezas e dor! Não teve capacidade de se encontrar, e por isso, nem em si mesmo achara conforto. O que deveria se tornar então o João? Um mais um... É igual a dois! Alegria mais alegria... Felicidade! E tristeza mais tristeza? Revolta! E da revolta nascem os muitos outros males: Ódio, violência, amargura, e etecetera! Mas dirão alguns: - Todos temos a chance de escolher! - Pois bem! Pergunto então a este se porventura ele dorme no chão frio da estação, e caça seu alimento nas lixeiras dos bares todas as noites? Será? Estou certo que não! Como diriam os antigos: - É fácil sorrir de barriga cheia!

Invalidar uma coisa apenas por projetar o efeito daquilo é fácil! Quero ver invalidar vivendo sobre este efeito! Aí as coisas são diferentes!
Sejamos realistas! Olhemos para este mundo! Eis que as trevas se estendem do oriente ao ocidente! O mundo está coberto de ganância, orgulho, e falsidade. Quem, portanto, é aquele que poderá bater no peito e dizer: Sou salvo! Quem poderá? Analisando estas coisas... De acordo com a costumeira ideia religiosa; concluímos o seguinte: Todos arderão no inferno! Mas acalmem-se! Esta afirmação seria plenamente verdadeira se não fosse por uma razão... Uma iminente razão: O sacrífico do próprio Deus!

Percebem mais uma vez o absurdo de um Ser que é Deus, morrer por nós, meros mortais? Seria o propósito disto algo corriqueiro e sem relevância? De maneira alguma! Seja antes a humanidade retardada, do que Deus meramente confuso. A questão é que este sacrifício, como dito no evangelho, trouxe-nos a salvação! Isto é! A redenção dos nossos pecados através do arrependimento. Como pode, todavia, o simples “se arrepender” poder dizimar o pecado? Simples é a resposta... Porque Ele morreu por nós! Ele morreu a nossa morte para que nós vivêssemos a sua vida. O arrepender-se se torna válido porque tal coisa esta relacionada ao sacrifício do Criador de todas as coisas. E isto é infinitamente mais do que suficiente! Pois bem! Já estamos aqui com uma boa noção da “Graça de Deus”. Sigamos então:

Todas as coisas me são lícitas! Mas nem todas as coisas me convêm. Agora este versículo se tornou mais compreensível! Não é mesmo? Através da liberdade que temos por meio da fé no Filho de Deus, podemos fazer qualquer coisa! A questão é que algumas coisas não são convenientes! Um exemplo:
Tenho agora um profundo ódio pelo João! Achei-o na rua e posso espancá-lo! Deus me permite espancá-lo? Sim! Ele mesmo me fez livre! Mas convém fazer isso? De maneira alguma! Farei mal para mim mesmo, pois criaria ódio e confusão, podendo logicamente estas coisas voltarem para mim mesmo. Compreendem? Eu posso tudo! Sim! Tudo! Mas nem todas as coisas são convenientes! Mas não se esqueçam... Mesmo assim eu posso tudo! Somos livres! Desde já, de uma coisa saibam: De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem.

Amados, qual é o grande mandamento na lei? Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Toda a Lei depende destes dois mandamentos! Apenas guardem estes e vocês estarão bem. Percebem? Percebem agora que somos livres e que de nada estamos proibidos? Seria bom se o mundo entendesse uma verdade:
Jesus falou para todas as gerações, mas Paulo falou apenas para a igreja daquela época! Somos seguidores do amor de Jesus Cristo, e não dos dogmas arcaicos do apóstolo. Todavia, infelizmente, eu, de minha parte, vejo um constante erro em todas as igrejas! Pessoas vivendo vidas mascaradas, tentando assim, cumprirem o evangelho de Paulo! Um evangelho de regras e proibições, o qual vai totalmente contra a época atual. E por isso, seguem a vida sendo “hipócritas”! Pois o evangelho Paulino exige uma sabedoria extremamente grande para que se possa ser vivido; sabedoria esta alcançada por pouquíssimos. Devemos viver o evangelho de Cristo! O evangelho simples de Amor e liberdade. Isto sim é bom e saudável, e não grosseiro e pesado como o outro.

Porventura foi Paulo um louco débil-mental a constituir tais regras e proibições? De maneira alguma! Seja antes eu mesmo xucro do que Paulo distraído! Paulo foi é muito inteligente! Usando as coisas que usou, conseguiu fazer de uma pequeníssima seita a maior religião do mundo atual! Ele estipulou ordem e controle, pois era necessário! Pois se acaso sua doutrina caísse em descrédito, jamais ela alcançaria o mundo inteiro. Compreendem a necessidade de Paulo ter sido tão rígido? A partir disto muitos sofismas religiosos caem por terra! Vejamos:

Primeiramente, a questão financeira, a qual eu não me estenderei quanto a isto devido a mesma já estar explicada em minha carta para Angelina, a qual todos vocês viram. Não há mais regras, não há valores estipulados, mas apenas a vontade voluntária do coração! Vivemos a nova aliança com Cristo, e não a antiga com os judeus. Em segundo, a questão amorosa! É conhecido de todos vocês o quase pesadelo que alguns religiosos tratam tal questão! Uns proíbem o simples “ficar”! Outros proíbem o “sexo”! E outros ainda proíbem tanto um como o outro. Mais uma vez: Da onde, pois, sobreveio-nos tudo isso? Qual é a base para tais coisas? Estejam certíssimos, e analisem se quiserem que tais sofismas são baseados em palavras Paulinas! Podendo tal estar também escrita por algum outro; mas que importa? Este também é homem como nós, e devia também agir semelhantemente a Paulo para o bem da propagação do cristianismo ao mundo. Sem contar que... Estas supostas e poucas palavras, as quais eles se utilizam para justificarem suas regras... NÃO! Digo mais uma vez... NÃO citam a relação sexual diretamente! A não ser relações sexuais com prostitutas!

Mas alguns dirão: - Mas prostituta é aquela que faz sexo antes do casamento! - Grande estupidez! No que consiste tal afirmação? Diz o dicionário: - Prostituta é aquela que faz sexo por dinheiro! - E a lógica também assim compreende. Todavia, aconteceu que a séculos atrás, notaram um sério problema: Garotas ainda meninas engravidando. Doenças surgindo! A partir de coisas assim é que nasceu o tabu do sexo. Este tabu serve para controlar os homens para que estes não acabem se arrebentando. Foram os homens antigos imbecis ao fazerem tal? De maneira alguma! Antes controlados do que destruídos. Não havia preservativos! A medicina ainda era muito ignorante. O controle se fez necessário! Todavia, hoje em dia as coisas são diferentes! Basta não ser idiota e se prevenir. Sempre se lembrando de que nós podemos tudo, mas nem tudo é conveniente.

O mesmo podemos falar da questão financeira! Era preciso haver um controle, e por isso, alguns resolveram trazer de volta a questão ultrapassada do dízimo. Sabendo destas coisas, o que dizer então da questão do simples “ficar”? Ora essa! Vira motivos de risos! Somos livres! Não existem correntes que nos prendem. Sendo assim... A coleira invisível do livro negro não mais existe... E na verdade... Nunca existiu! Você que é da igreja deve então sair da mesma imediatamente? De maneira alguma! Continue aonde estas, pois faz muito bem! Apesar dos erros aqui mencionados, a igreja traz a sua vida muitas coisas positivas. E assim, dirão: Devo eu, homem que odeia igrejas, ir a mesma a partir de hoje? De certo que não! Permaneça onde estas, e procure se interiorizar, e assim, buscar por si mesmo o Deus que sempre próximo esteve. Se acaso não conseguir e se sentir sozinho, procure o lugar que mais contém pessoas dispostas a te ajudar... Certamente, a igreja!

Finalmente... Aquele que é religioso não julgue aquele que não é! Da mesma forma aquele que não é, não julgue aquele que o é. Tanto um como o outro... Todos somos filhos do mesmo Deus, e Este mesmo Deus morreu por todos.
Será mesmo que a maioria do mundo irá queimar no inferno como muitos pensam? Será mesmo que a morte do próprio filho de Deus não conseguirá ter um efeito satisfatório? Por favor!

Sejamos inteligentes.”



*Fragmento do Cap.22 do livro "O Brilho de Rebecca" - Adrian Mcoy



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique aqui e comente!

Pesquisar neste blog