quarta-feira, 9 de março de 2011

095 - Três segundos

Em todos os dias, horas, e minutos daquela viajem, nada foi assim tão especial; há não ser os três segundos... Os três segundos em que nos olhamos.

Aquela alegria da nossa antiga amizade foi transmitida! Pelos ares da chácara ela se manifestou tingindo até os amargos com uma luz afável, cintilante, de um passado doce e inesquecível.

Lembranças do afago de nossos corpos ajuntados dispararam meu coração! Minha respiração assim ofegou... Por três segundos!

Tudo para mim estava um marasmo! Tudo era como um filme de alegrias do passado, as quais hoje em dia já não mais me alegram. Mas ao menos um instante valeu por todos estes dias...
Os três segundos!

Eras tão amiga de minha pessoa! Me fazias tão bem! Hoje, porém, resta-me quase nada!
Apenas um sorriso curto do seu doce rosto amedrontado.
Não obstante, eu entendo o teu medo! São pessoas que não te querem perto de mim!
Mas apenas saiba que elas além de conseguirem me tirar uma amiga, também, ao mesmo tempo, roubam de mim... A única pessoa que amei em toda a minha vida!

Se fui solitário em todos aqueles dias, saiba, porém, que fui o mais feliz dos homens...
Por aqueles três segundos!

...Eu odeio você!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique aqui e comente!

Pesquisar neste blog