sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

046 - A dor do momento (Flores Mortas no Jardim)


Durante a alvorada da vida
Atrevida dor pegou-me na estrada
E buscando encontrar logo uma saída
Eis que despercebida foi a minha parada.

Desde a primeira vez foi diferente
Foi corrente que se prende e não se solta
Comecei a sonhar tranquilo com a gente
Mas algo indiferente trazia uma revolta.

Proibida você era e será para mim
Assim como o sol jamais toca a lua
Eu sei que á isso eu devo dar um fim
E assim eu sairei chorando pela rua!

Eu podia lhe dar o maior do amor do mundo!
Mostrar-lhe as horas em apenas vãos segundos
Podia ser teu mais puro e doce sentimento
Provar-lhe em sussurros...
A dor do momento!

Sentimento que dói! Sentimento em vão!
Nunca eu terei o seu doce coração

Desculpe! Mas é inevitável não sofrer!
Saiba, apenas: Eu te amo!
É o que posso te dizer.


*Poema integrante do livro "Flores Mortas no Jardim" - Adrian Mcoy


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique aqui e comente!

Pesquisar neste blog