quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

042 - O quanto eu te amo



Meus olhos já não brilham...
O tom da mesma alegria
Rente a magia do amor...
Escondi o meu sorriso!
Enlaçado nas loucuras de minhas fantasias
Delirei nas alegrias de um suposto paraíso
Um aviso era provindo da mente
Mas semelhantemente falava o coração
Hoje vejo as coisas um tanto diferentes
Esperanças doentes em meio à solidão
Como podem falar que é cedo
Se mesmo eu não tendo medo...
Tudo terá um fim?

Como posso manter tudo em segredo
Se morro em mim de medo...
De tirarem-te de mim?
Uma dor incomoda o fluir do meu caminho
Estou sozinho temendo essa paixão
Você não estará aqui para dar-me o teu carinho
Estará nos espinhos da tortura de tua ilusão
A distância é enorme, mas pequeno é o medo
Mas em segredo eu sonho com a sua pessoa
Coisa boa é o amor que me acompanha desde cedo
Mas eu tenho medo por poder te amar a toa
Só queria você aqui do lado
Só queria você aqui comigo
Mas você se apaixonou pelo passado
Deixando-me apenas como seu amigo

Desculpe-me se tudo foi loucura
Se tudo foi engano
Queria apenas poder provar
O quanto eu te amo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique aqui e comente!

Pesquisar neste blog