quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

034 - Carta p/Marcelly Rezende



Palavras de Adrian Mcoy

Ao décimo ano do vigésimo primeiro século.


Minha amada!
Depois de ler esta feche os teus olhos e chore comigo, pois... Eu tentei!
 Há meio ano eu entrei num verdadeiro choque quando a realidade me provou que quase tudo o q eu vivia estava "errado"!
As estrelas do meu céu pararam de brilhar, e eu não tive mais forças para defendê-las como eu sempre fazia no passado em uma ímpar coragem, a qual espantava a todos.
Quem diria que aquele povo perfeito que eu conheci numa linda noite de Retiro de Carnaval, fosse talvez os piores dos hipócritas? Quem diria que aqueles homens supostamente abençoados, que pareciam até terem poderes divinos ao gritarem em línguas estranhas eram na verdade os mais falsos e fofoqueiros? Quem diria que aquele homem que era o grande líder dos abençoados, era na verdade um dos homens mais brutos e arrogantes que já passou pela minha vida?
Quem? Quem diria?
Fiz tudo que pude antes fugir deste falso caminho!

Sim! Eu realmente tentei!

            Eu tentei falar a língua estranha que eles falavam, e conseguia ser até mais eloquente do que eles, mas percebi, logicamente, que aquelas palavras eram criadas pela minha mente! Reparei que eles repetiam muitas vezes a mesma coisa, fato que denunciava uma falha na capacidade de invenção destes. Alguns até, eu posso dizer, foram imbecis, me dizendo que para falar nestas línguas bastava apenas falar o que vinha na mente! Provando este, assim, que tal coisa não passa de uma palhaçada teatral de homens que só querem se aparecer.


            Eu tentei também, e muito, ser aquele evangelista que de tão fervoroso era taxado de louco! Muitas foram as testemunhas de quando eu, em minha imaturidade, subi a escadaria da catedral da praça central de minha cidade, e em meio a ela, comecei a berrar para todos, pregando assim o evangelho. Coisa esta que muito raramente se vê por ai, pois as igrejas são totalmente irresponsáveis com o evangelismo, sendo que isso é a mais importante obra da igreja, porém a igreja só quer trabalhar por aqueles que já são teus, se preocupando apenas com os louvores, eventos, e dízimos, enquanto milhões estão lá fora na escuridão.
            Eu vi que para a falida igreja do Senhor Jesus, mais vale uma barra de ouro do que uma alma.


            Eu tentei também até tocar o violão que eu sei num conjunto de “levitas”, mas, no entanto, me deparei com mascarados, mesquinhos, e arrogantes, os quais sempre estavam prontos para se devorem. Sempre estavam em atrito por questões medíocres, e eu, pela amizade que tinha com alguns, sabia que todos os jovens integrantes daquele grupo supostamente abençoado, eram praticantes assíduos do ato sexual. Não que para mim isto hoje seja pecado, pois o conhecimento me libertou, mas naquela época, tanto para mim como para todos da igreja, até os das de hoje, é um pecado seríssimo! Como, então, eles o praticavam? Hipócritas!


            Eu tentei enco
ntrar uma varoa para passar a vida ao meu lado! Sonhava com uma menina que não precisava nem ser tão linda como tu és, mas apenas “abençoada”! Uma garota que não tivesse medo de evangelizar e denunciar o mal! Uma garota virtuosa, a qual cumpria a risca os mandamentos do nosso Deus. No entanto... Nunca a encontrei!
            Todas pareciam até serem boazinhas no começo, mas logo a mascara caia e a face podre das mesmas se revelava diante de mim. Sorte a minha e graças a Deus por isso, pois se acaso tivesse me envolvido seriamente com uma dessas talvez até os dias de hoje eu estivesse preso ao circo da hipocrisia, ou clube social ungido, chamado erroneamente de “igreja”, e por isso, nunca teria conhecido o grande amor de minha vida... Você!

            Eu tentei abrir os olhos de alguns a medida que ia descobrindo coisas erradas na doutrina de minha igreja, porém, a mente das pessoas era tão engessada àquela podridão que seus costumes eram inquestionáveis! Estava certo porque estava e pronto, acabou! Raça de víboras, incapazes de pensar por si mesmos; tolos, preguiçosos, arrogantes, nuvens sem agua levadas de um lado para o outro, estrelas errantes duas vezes mortas, brasas de fogo estaladas do madeiro da falsidade e precipitadas na escuridão duvidosa de uma noite agonizante.
            Eu tentei usar de minha vasta imaginação a fim de ajudar o tal circo em que eu vivia! Formulei projetos geniais direcionados aos jovens, o qual poderia revolucionar a visão do mundo quanto a igreja! Porém, os ridículos e arrogantes da liderança, movidos pela inveja, fizeram pouco caso do projeto, mesmo com o fato de que na tal igreja uma idéia tão louvável nunca antes, nem de perto, fora desenvolvida. Medíocres!


            Eu tentei usar de minha capacidade teatral para, assim, cumprir a obra evangelística com mais êxito! Porém, após o inquestionável sucesso da primeira peça que eu mesmo escrevi e fiz o papel principal (Satanás), a liderança, movida por sua arrogância e inveja, começou indiretamente a me perseguir, minando minha influencia, estabelecendo uma garota que mais parecia uma “retardada” a liderança do grupo, fazendo assim, com que, logicamente, a mesma entrasse em contradição comigo, forçando-me a sair do Teatro, reduzindo aquilo que dantes era um verdadeiro ministério a um grupinho de tímidos e covardes que mal sabiam interpretar. 


            Eu tentei também usar de minha profissão, publicitário, a fim de ajudar a tal igreja desenvolvendo trabalhos gráficos testemunhosamente impecáveis, porém, mais uma vez a arrogância falara mais alto, e devido a multidão dos elogios que eu sempre recebia e pelo fato do meu nome ter ficado extremamente evidente sobre todos, a liderança driblou meu profissionalismo, usando de desculpas estratosféricas para se utilizarem de outra fonte, a qual ao meu ver era “ridícula”!


            Enfim...
            Me deparei com pessoas de um nível de hipocrisia tão grande que nunca dantes em minha vida eu tinha conhecido! Artistas natos da santidade, os quais vivem interpretando no Teatro da fé, e pensam, desta maneira, que apenas por estarem “fingindo” um caráter, estão “redimidos” pela cruz de Cristo Jesus.

            Seus pés são ligeiros para derramar sangue! Estes não conheceram o Caminho da justiça! Não há temos de Deus diante dos seus olhos.
            Mas, acerca disso, eu, esplendorosamente, dou graças ao Altíssimo, o qual proporcionou através do sacrifício de sua própria Imagem “Filho”, Jesus Cristo, a justificação de todos estes através do simples ato de Fé nele mesmo. Pois certamente do contrário, todos iriam para o inferno, sem duvidas nenhuma!
            Sou eu juiz? De maneira alguma! Mas tenho inteligência suficiente para saber que lixo... Vai para o lixo.
            Esta é a triste historia de minha vida religiosa, onde eu chorei e me decepcionei muitíssimo. Sou eu um desviado? Temos que analisar...

            Desviado de que? Da igreja? Mas o que é a igreja? Ou melhor! O que deveria ser a igreja? Voltemos a cerca de dois milênios atrás, na época do grande apostolo Paulo.
            A Igreja daquela época era redonda e imensamente diferente da igreja de hoje (e que todos saibam que quando falo “igreja” me refiro aos “evangélicos”, pois as outras divisões do cristianismo me são tão falsas e medíocres que eu nem os considero como “igreja”). A igreja dava a vida pelos outros! Saia todos os dias pregando em vários lugares!
            Não davam dizimo, mas davam quase tudo o que tinham! Pois eram verdadeiramente convertidos, e por isso, desapegados de coisas materiais.
            A saber, depois de Cristo, na verdade o dizimo deixou de existir, pois Cristo aboliu a lei antiga e estabeleceu uma nova aliança. Podemos ver que “dizimo” nem é mencionado nas inúmeras cartas de Paulo (o qual fala sobre tudo, até de coisas quase que fúteis, mas de dizimo... Não!). Existe no novo testamento uma única menção em que Jesus fala para um “fariseu” que ele deveria dizimar.


            Ora! Acaso todos estão cegos que não conseguem ler com clareza? Jesus falou para um “fariseu”, e fariseu é um Judeu! E se ele era um Judeu, logicamente, ele tinha que dar o dizimo, pois era obrigado a guardar a lei antiga, já que não aceitava a Jesus, e por isso, tinha de dar o dizimo, assim como também tinha de guardar o sábado!
            Pois que? Guardar o sábado também pertence a Lei? Sim, pois as Sagradas Escrituras o dizem no antigo testamento! Então por que os cristãos seguem a lei antiga do dizimo, mas desprezam a lei antiga do sábado?
            Está ai uma pergunta que todos deveriam se fazer!
            Se você levar esta questão aos lideres religiosos eles irão se defender com a medíocre historinha da divisão das leis, em lei “cerimonial” e lei “moral”, falando que dizimo é de uma, e sábado é a da outra.
            Da onde sobreveio-nos, pois, tal absurdo? Da onde foi que concluíram tal coisa? Como podem simplesmente inventarem isso?
            Mas de certo que eu sei! Ora! Isso muito lhes convém! Excluíram a questão do sábado, pois a mesma é muito difícil de ser cumprida, e por isso, afastaria milhões de pessoas de se tornarem futuros “clientes” da empresa chamada “igreja”. Porém, mantiveram a questão ultrapassada do dizimo, pois esta é uma excelente arma para arrancar um bom dinheiro do povo, sem que o mesmo conteste, já que essa questão é muito complexa e quase que ninguém a entende.
            Outrossim, tudo, pois, encerra-se debaixo do comodismo da ignorância.

            Sou eu como o assassino Saulo, o qual agora quer perseguir os cristão e matá-los? De maneira alguma! Antes quero apenas libertá-los dos sofismas aloprados que os escravizam! Quero então que todos saiam da igreja? Isto também não!
            Convém que as pessoas, principalmente os jovens, frequentem a igreja, pois apesar dos erros, lá elas aprendem sobre Cristo, e isto é maravilhoso!
            Porem, sinto a necessidade de uma revolução eclesiástica baseada na sã doutrina a qual nos dias de hoje está penetrada em mim. Todavia me parece que tal coisa nunca acontecerá devido a ignorância e a covardia que encobre este mundo.
            Talvez isto deva partir de mim! Mas se assim for o Senhor me guiará a isso... Eis-me aqui!
            Finalmente, amada carioca de minha vida, a qual desfila sua perfeição em meios aos campos grandes da cidade maravilhosa; rogo-te que se quiseres ainda estar na igreja, esteja, mas ao mesmo tempo não esteja! Ouça aquilo que for bom, mas aquilo que for exagero e distorção... Ignore!


            Torne essa carta conhecida de todos os quais você quiser, e tendo alguém alguma dúvida, traga-a mim! Estes conhecimentos provém de estudos exaustivos realizados sobre a minha inteligência, e de incríveis revelações do nosso Maravilhoso Deus através do manifestar de seu Espirito Santo em minha vida. Se porventura alguém taxar esta como heresia e absurdo, peço que analise a inteligência da mesma, e veja se ela esta a altura de minhas palavras! Se ela não estiver, ignore-a! Não convém dar ouvidos as marionetes da ignorância. Mas se esta pessoa tiver inteligência semelhante, e mesmo assim rebater, procura nos unir em contato, pois muito me agradaria tal.
            Não se atrase! Venha apressadamente a terra da garoa para assim vivermos o nosso lindo amor. Tenho muito a lhe falar! Muitos carinhos a fazer! Sonhos para sonhar com você! Afinal...
            Nascemos um para o outro!
            Que o Amor de Deus seja contigo!
            Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique aqui e comente!

Pesquisar neste blog